Família Molon

Surgimento do Sobrenome

Na época do Império Romano, distinguiam-se e individuavam-se as pessoas através do praenomen, nomen e cognomen. O primeiro representava o nome próprio do indivíduo; o segundo repetia a designação do clã ou da gens a que pertencia este indivíduo; o último se referia à família ou ao grupo familiar inserido na gens. Assim, no nome completo do cidadão Marcus Tullius Cicero, o praenomen Marcus designar o nome próprio do grande orador e escritor romana; Tullius é o nomen derivado da gens Tullia; e Cicero, o cognomen da família em âmbito menor, insegira no grande clã, na assim chamada gens Tullia.

Com a queda do Império Romano , no ano 476 depois de Cristo, esta sistemática de individuação dos cidadãos, das famílias e dos clãs ou tribos, caiu em total desuso. Na Idade Média passou, pois a vigorar tão somente o nome de batismo para designar. distinguir e caracterizar as pessoas no seio da sociedade. Torna-se fácil imaginar a confusão gerada por essa nova sistemática simplificada ao extremo. Com a larga influência do cristianismo, os antropônimos se tornaram de tal forma repetitivos que, a partir do século VIII, surgiu a primeira fórmula moderna para distinguir um indivíduo de outro, ou seja, citando o nome do pai como expresso aposto ao do filho, como se pode observar neste exemplo; Paulus filius quondam P)hilippi = Paulo filho do senhor Filipe. Esta fórmula deu origem a muitos sobrenomes derivados de nomes próprios e designados como antroponímicos e patronímicos. A segunda fórmula criada nesse período acrescentava ao nome próprio da pessoa um cognome representativo da profissão ou atividade exercida, da cidade de origem ou do local da proveniência, de qualificação moral, de aparência física, de atributo específico, de ato de bravura perpetrado, de posição ou extração social, de título nobiliárquico, etc.

O sobrenome Molon surgiu, sem dúvida alguma, do uso e da aplicação da segunda fórmula citada, sendo acatada qualquer uma das duas teorias. Existiu, portanto, no período medieval, um patricarca ou paterfamílias cognominado Molon por uma das razões descritas acima.

Este patriarca tornou-se o capostípite (fundador, iniciador) de novo tronco familiar, ao repassar seu cognome aos filhos e descendentes, dando origem à Casata del Molon. o termo Casata ou Casato designava, de início, o casarão ou casario em que habitava a geralmente numerosa descendência do capostípite a cuja autoridade e tutela todos se submetiam . Posteriormente, o termo passou a indicar a própria família, o clã, o núcleo familiar que gravitava em torno do paterfamílias Molon. Ao indicar todos os membros desse núcleo familiar, a expressão se pluralizou em Casata dei Molon. Nota-se que o sobrenome reflete uma típica forma de plural, embora o elemento principal tenha permanecido invariável. Sabe-se que nos falares regionais do norte os vocábulos masculinos terminados em consoante geralmente permanecem invariáveis.

A expressão Casata dei Molon se simplificou, na fala popular e coloquial, e se reduziu a Casata Molon. Por fim, permanece somente o cognome designativo de todos os seus membros, Molon. Esta resultante se fixa como sobrenome específico e definitivo de toda a posteridade do capostípite Molon.

Resumindo, o sobrenome surgiu do cognome do capostípite. Seus filhos e demais descendentes passaram a usar este apelativo do ancestral fundador como distintivo da Casata ou como nome de família que se perpetua até hoje. Resta saber em que época o sobrenome surgiu. Estabelecer uma data precisa para seu surgimento é tarefa quase impossível., tendo-se presente o quanto foi dito acima sobre as lacunas documentais. Parece, no entanto, que a citação mais antiga remonte ao século XII. De fato, num texto paduano do ano de 1154, é mencionado um senhor chamado Grimaldus Molone. Se o sobrenome já existia sob esta forma, isto pode significar que já poderia ser difundido e remontar a pelo menos um século antes. Pode-se, pois, afirmar com certa segurança que Molon é um sobrenome que deve ter-se fixado entre os séculos XI e XII. De qualquer maneira, trata-se de sobrenome plurissecular e quase milenar ou, quem sabe, até mais que milenar.

Família Molon no Brasil - 1882 a 2014